setembro 05, 2015

..................................... ANTONIO CÍCERO: POESIA À FLOR da PELE



Entrevista feita por Antonio Nahud
para o Jornal de Hoje (RN), em 2006

IMAGENS:
MARK ROTHKO


Sua obra poética acende mentes e tem público cativo. Além de poeta, é compositor e filósofo. Vem colhendo êxitos por sua linguagem lúdica, profunda e sóbria, seja na música, poesia ou filosofia. ANTÔNIO CÍCERO tem charme esquivo e discreto. Carioca, na ativa nas últimas quatro décadas, se mantem distante dos refletores da fama e se rodeia de um certo anonimato, mesmo depois da notoriedade obtida em marcantes incursões na MPB.

cícero, chacrinha e marina lima
Começou a compor em 1976, dividindo canções com sua irmã Marina Lima, Waly Salomão, Lulu Santos, João Bosco, Frejat e Adriana Calcanhoto. Em 1996, lançou o CD de poesias “Antônio Cícero por Antônio Cícero”; em 1997, o livro de poemas “Guardar”, que teve ótima acolhida de público e crítica, vencendo o prêmio Nestlé de Literatura. Publicou “O Relativismo enquanto Visão do Mundo” (1994), coletânea de ensaios organizada e concebida por ele em parceria com Waly Salomão, e “O Mundo desde o Fim” (1995), filosofia antenada que discute o nosso país pendendo entre a modernidade e seus paradoxos. Em 2000, nova reunião de poemas: “A Cidade e os Livros“ (2000). Sua mais recente publicação, “Finalidade sem Fim” (2005), traz ao leitor uma perspectiva da relação entre vanguardas e modernidade.

Continuando uma série palestras e leituras de suas letras e poemas, ANTONIO CÍCERO desenvolve o tema “Poesia e Música” no I Encontro Natalense de Escritores (ENE), sexta, 24, às 20h30m. Nesta entrevista, ao filosofar sobre o ofício poético, opina que a maior parte das pessoas escreve uma espécie de diário sentimental ou emocional em frases soltas e acha que está fazendo um poema.

antônio cícero
A POESIA TEM DEFINIÇÃO PRÓPRIA?

Tem muitas. Eu mesmo já a defini de várias maneiras diferentes. De maneira geral, uso essa palavra para denominar a propriedade de ser um poema, isto é, aquilo que faz de um poema um poema. Pois bem, uma vez defini o poema como o texto dotado do mais alto grau de escritura; outra vez, como a forma que porta em si a marca d’água do movimento; etc.

JOÃO CABRAL DE MELO NETO AFIRMAVA QUE POESIA É TRABALHO...

As teses de João Cabral são interessantes para provocar o pensamento dos poetas. Mas é preciso entender que elas são as regras que ele impôs a si mesmo para poder construir-se/encontrar-se enquanto poeta. A rigor, elas só valem para ele mesmo. Não penso, por exemplo, que a poesia seja só trabalho. A poesia é também inspiração. João Cabral tinha horror a essa noção, que achava coisa de poeta romântico ou efeminado. Não é nada disso. Inspiração é o nome das intuições que o poeta não sabe de onde vêm (os antigos achavam que vinham das Musas, filhas de Zeus e da Memória), mas que são fundamentais para a produção dos poemas. A verdade é que, independentemente do que ele mesmo pensava, João Cabral foi um poeta inspirado. O que ocorre é que a inspiração não vem “antes” e o trabalho “depois”. Grande parte da inspiração vem durante o trabalho, por ocasião da solução dos problemas que se apresentam ao poeta.


SEU SEMBLANTE SEMPRE PASSA ALGUMA MELANCOLIA. PESSOALMENTE, ACREDITA NUMA VISÃO TRÁGICA DA VIDA – COMO NIETZSCHE?

Apesar dessa aparência, não me sinto melancólico, senão vez por outra e por pouco tempo. Mas talvez as fotos saibam mais sobre mim mesmo do que eu sei. Talvez fosse até bom ser melancólico. Aristóteles dizia que os homens extraordinários em filosofia, política, poesia e arte tendem a ser melancólicos, e considerava Empédocles, Platão e Sócrates como melancólicos. Mas ele não associava a melancolia a nenhuma concepção trágica da vida. Na verdade, essa concepção não é grega, mas de Nietzsche mesmo. Não compartilho do entusiasmo generalizado (“dionisíaco”?) por Nietzsche nem por essa visão. Gosto de música pop, mas não de filosofia pop.

COMO AVALIA O IMPACTO DA LITERATURA NA INTERNET? JÁ EXISTE UM MOVIMENTO LITERÁRIO NELA? UMBERTO ECO DISSE QUE A INTERNET VEIO PARA SALVAR A PALAVRA ESCRITA.

Acho que a importância já é grande e vai ser cada vez maior. Com certeza existem vários movimentos literários na Internet. Existem inúmeras revistas, inúmeros blogs, inúmeras páginas de autores... é um mundo ilimitado. Eu mesmo frequento muitos desses sites e, embora não faça parte de nenhum site coletivo, tenho uma home page: www.uol.com.br/antoniocicero


O POETA ANTONIO CÍCERO, INÉDITO, TORNA-SE COMPOSITOR. COMO FOI ISSO?

Bem, eu não era totalmente inédito, pois já havia publicado poemas em periódicos. Escrevo poesia desde que me entendo. Quando chegou a hora de pensar em publicar um livro, porém, hesitei muito, pois tinha grande admiração intelectual pelas teorias concretistas, mas a poesia que eu escrevia e a poesia que eu gostava de ler era discursiva, escrita em versos; ora, os concretistas consideravam terminado o ciclo do verso. Eu fazia poemas, mas não tinha ainda elaborado um pensamento sobre a poesia, com o qual pudesse confrontar as teorias concretistas. Deu-se, portanto, uma contradição entre a minha sensibilidade e o meu intelecto. Isso se resolveu exatamente quando minha irmã, Marina, pôs música em um dos meus poemas engavetados. Gostei do resultado.

A ATUAL POESIA BRASILEIRA, SEM RUMO, ABSORVE DIVERSAS TENDÊNCIAS COMPLETAMENTE DÍSPARES. COMO CONCILIA ESSES CONTRÁRIOS EM SUA POESIA?

Simplesmente faço o que acho bom.


VOCÊ SE CONSIDERA UM POETA INVENTIVO? QUE ELEMENTOS DE VANGUARDA PODEM SER ENCONTRADOS EM SUA POÉTICA?

Penso que a vanguarda já cumpriu o seu papel e que o cumpriu muito bem. Objetivamente, seu feito principal foi o de abrir portas, o de mostrar que a poesia podia ser feita de inúmeros modos, que não podem ser prescritos a priori. Por outro lado, independentemente dos equívocos ilusões de alguns vanguardistas sobre o sentido do seu trabalho (alguns pensavam que estavam “destruindo” o verso, a rima, a poesia puramente verbal etc.), ela não fechou porta alguma: todos os modos tradicionais de se escrever poesia ainda se encontram disponíveis aos poetas contemporâneos. Quanto à invenção, penso que qualquer poema bom é inventivo, ainda que seja um soneto ou uma sextina. O importante não é fazer “o novo”, mas fazer aquilo que não envelhece.

FALE-NOS UM POUCO DE SEUS DOIS LIVROS POÉTICOS. QUAL A PARTICULARIDADE DE CADA UM? CONTE-NOS!

Como “Guardar” foi o meu primeiro livro, ele contém poemas de diferentes épocas da minha vida. Já “A Cidade e os Livros” foi feito no período de três ou quatro anos, de modo que seus poemas têm uma unidade maior e são mais maduros.


O TÍTULO “A CIDADE E OS LIVROS” É UMA BELA SACADA POÉTICA. POR QUE A ESCOLHA DESSE TÍTULO?

Ele é o título de um poema do livro que fala da minha descoberta da cidade e dos livros. Essas descobertas, fundamentais na minha vida, representaram a minha desprovincianização pessoal, a minha abertura para o mundo e a abertura do mundo para mim. Por isso, depois que o livro já estava pronto, resolvi batizá-lo com o nome desse poema.

O CAMINHO DO POETA É SOLITÁRIO, ÁRDUO E IMPONDERÁVEL? COMO VOCÊ DISSE, “O VERDADEIRO POETA É AQUELE QUE SABE QUE FAZER POESIA É EXTREMAMENTE DIFÍCIL”?

A poesia parece, à primeira vista, a arte mais fácil. Principalmente depois da experiência da vanguarda, basta escrever qualquer coisa e dizer que é um poema, e pronto: quem vai provar que o que você fez não é um poema? Quem vai provar que você não é um poeta? A maior parte das pessoas escreve uma espécie de diário sentimental ou emocional em frases soltas e acha que está fazendo um poema. Não estou aqui para reprimir ninguém: façam o que quiserem. Devo confessar, porém, que a poesia de que gosto não é expressão pessoal, mas obra de arte, o que não é a mesma coisa.

O QUE PENSA DE SUA PARTICIPAÇÃO NA ESTRÉIA DE UM EVENTO LITERÁRIO POTIGUAR?

Para mim é uma honra e uma alegria. E Natal é uma cidade maravilhosa.





cícero, cazuza e waly salomão

13 comentários:

Augusto B. Medeiros disse...

Ótima entrevista!

Diva Nina disse...

As letras dele são modernas e sensíveis. Preciso conhecer sua poesia.

Paulo Gomes disse...


Parabéns!!!

Luis lourenço disse...


tão expressiva esta entrevista!-Grandde abraço,

Leonardo Salvatori disse...

o pensamento construindo-se sempre com o pensamento.

Léa Viana disse...

Gostei muito, como sempre, beijos.

Vania De Lima Lima disse...

Leitura e releitura. Dois belos poetas. Abraço!

Artes e Escrita disse...

Uma ótima entrevista. Um abraço.

Teresinha Xavier Santana disse...


Amei, achei muito interessante.

Maria Luiza Vieira disse...


Ola, boa dia, gosto do seu Blog,e o leio sempre que posso.

Alcides Sacramento disse...

Desejar-lhe sucesso, Antonio Nahud, torna-se redundante. É o momento de agradecer-lhe, por partilhar conosco, preciosos conceitos, com muita ética e bom senso, na série de acontecimentos pelos quais passamos. Suas crônicas, narrativas e textos em geral, sempre com uma pitada de humor ácido nos inteira da realidade a que sobrevivemos. Apenas redobramos os desejos de continuidade. Abraços.

FM Rita disse...

Excelente entrevista. Parabéns!
Uma explanação realmente didática.

FM Rita disse...

Que venha logo o próximo para deleite de nossas almas..
Um afetuoso abraço Rita Guedes