dezembro 06, 2014

........................... "CONFISSÕES" EXPÕE VEIA LÍRICA DO AUTOR



"CONFISSÕES" NA BAHIA

Imagens:
MÁRIO CRAVO NETO 


Em CONFISSÕES, o baiano Antonio Nahud conta de forma poética os bastidores de seu íntimo. A busca por significados na vida, entre outras reflexões existenciais não menos desafiadoras, levaram o autor a revisitar o campo dos versos após a publicação em 2009 do “Livro de Imagens”. Depois do lançamento em Natal (Rio Grande do Norte), onde o autor reside, o livro chega a Bahia, com autógrafos em Salvador, dia 16 de dezembro, terça-feira, às 19h, no Espaço Cultural Casa da Mãe (Rua Guedes Cabral, 81 - Rio Vermelho). A seguir em Itabuna, dia 18 de dezembro, quinta-feira, às 17h30, na Livraria Novel (Av. Paulino Vieira, 392). Dois dias depois, no sábado, às 18h30, em Ilhéus, na Academia de Letras de Ilhéus (Rua Antônio Lavigne de Lemos, 39).

Este é o 11º livro do autor, sendo o 5º de poesia. Ele dedica seu novo livro a escritora portuguesa Maria Gabriela Llansol (1931-2008), com quem conviveu durante temporada em Sintra, Portugal. O livro traz 51 poemas inéditos; prefácio de Reheniglei Rehem, doutora e pós-doutora em Teoria Literária; apresentação dos poetas e acadêmicos Nelson Patriota e Paulo de Tarso Correia de Melo; e capa do artista potiguar Ítalo Trindade.


Sobre o Autor

O primeiro livro deste escritor viajante foi publicado em 1993, “O Aprendiz do Amor”, pouco antes de viver por 12 anos na Europa. Em Portugal, publicou “Retratos em Preto & Branco – Contos Góticos de Madri” (1996), “Ficar Aqui Sem Ser Ouvido por Ninguém” (1998), “Caprichos” (1998) e, mais recentemente, “Se Um Viajante Numa Espanha de Lorca” (2005). Publicou também “Suave é o Coração Enamorado” (2006), entre outros. Antonio Nahud tem contos, poemas, crônicas, ensaios e artigos publicados em jornais e revistas de vários países. Ano Passado recebeu o Troféu Cultura RN de Melhor Livro do Ano. 

Programação
Lançamento do livro de poesia “Confissões”, de Antonio Nahud

Datas:
16 de dezembro de 2014, terça-feira, às 19h, em Salvador.
18 de dezembro de 2014, quinta-feira, às 17h30, em Itabuna.
20 de dezembro de 2014, sábado, às 18h30, em Ilhéus.

Locais:
Salvador: Espaço Cultural Casa da Mãe (Rua Guedes Cabral, 81 - Rio Vermelho).
Itabuna: Livraria Novel (Av. Paulino Vieira, 392).
Ilhéus: Academia de Letras de Ilhéus (Rua Antônio Lavigne de Lemos, 39).



Entrevista
ANTONIO NAHUD AUTOGRAFA NOVO LIVRO


por CEFAS CARVALHO


Depois de um livro de contos e uma biografia publicados há dois anos, Antonio Nahud volta agora às livrarias com o gênero que deu início a sua carreira literária: a poesia. O grapiúna radicado no Rio Grande do Norte apresenta seu novo livro de poemas, "CONFISSÕES", em Salvador, Itabuna e Ilhéus.

Desde 2009, quando publicou “Livro de Imagens”, Nahud se dedicou à prosa, lançando “Pequenas Histórias do Delírio Peculiar Humano” (2012) e “Agnelo Alves – 8 Décadas” (2012). No entanto, conta que jamais deixou de criar versos:

– O que me assustou foi uma convicção absoluta de que havia encontrado minha voz poética. Fiquei distanciado para me perguntar se não estava me iludindo. Depois desses cinco anos, confirmei o lugar onde quero estar, embora aqueles que leram o livro me digam que minha voz segue a mesma, apenas com poemas mais claros e líricos.

O lirismo é mesmo uma das marcas do novo livro. A busca pela significância se repete ao longo das páginas, mas não há espaço para idealizações. A afetividade é construída no cotidiano. O sentido do fazer poético e questionamentos existenciais são outros temas recorrentes em seu novo livro. Mais do que encontrar respostas, Nahud parece estar reafirmando uma vocação, revelada ainda em 1993, com “O Aprendiz do Amor”, e a seguir em “Caprichos” (1998) e “Suave É o Coração Enamorado” (2006).


Para quem vem de um mundo de fidalguia falida, de nostalgia cacaueira, ser poeta não é nada, o que se valoriza é ser uma pessoa bem-sucedida. Mas resolvi parar de lutar contra o descaso poético: já sofri em dois ou três momentos nos quais tentei matar a poesia dentro de mim – conta o autor.

Até que ponto você é consciente da influência das imagens no seu processo criativo? Você pode explicar um pouco esse processo interno de associações?

Desde criança, esse estímulo aconteceu, pela vivência em cidade do interior, sendo criado com liberdade e em contato com a natureza e, sobretudo, tendo a convivência com pessoas e seus hábitos e costumes, além de estar cercado por um ambiente pleno de histórias orais. Por outro lado, o hábito da leitura em família, proporcionou a que me interessasse por livros, gibis, jornais e revistas culturais e de variedades. Enfim, tudo era estímulo para despertar a criatividade, aliando-se a isso à interiorização do mundo real. Para mim o que o processo de criação visual permite é o jogo entre a imagem conjugada à palavra ou a palavra conjugada à imagem. Um completando o outro. Na realidade o processo criativo é muito complexo. Levo tempo para dar à luz um poema.

Quais são algumas das influências que marcam a sua obra: pode nos falar sobre alguns espaços rurais, urbanos, cotidianos, espaços familiares, objetos, autores?


No que se refere às influências marcantes na minha vida em relação à imagem, o cinema das décadas de 1940, 1950 e 1960 teve um papel fundamental. Criança, ainda, ficava maravilhado com os filmes e as imagens projetadas na tela. Minha atenção captava os quadros e efeitos no conjunto dos filmes os quais me satisfaziam esteticamente. Por outro lado, a fotografia sempre foi um estímulo. Gostava de fixar minha vista nas fotos artísticas das cidades, das paisagens e das figuras humanas.  De resto, sempre vi o mundo como um grande mapa geográfico por onde as pessoas interagiam, produzindo e criando. Os autores, cujas obras me influenciaram através das leituras que realizei, sejam eles em prosa ou em verso: Victor Hugo, Rainer Maria Rilke, Virgínia Woof, Albert Camus, Federico Garcia Lorca, F. Scott Fitzgerald, Samuel Beckett, e.e. cummings, Marguerite Youcenar, Paul Bowles. Entre os brasileiros, os poetas do Concretismo, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, Augusto de Campos e Ferreira Gullar; e os poetas contemporâneos como Hilda Hilst, João Cabral de Melo Neto e Paulo Leminski, além da prosa de Lúcio Cardoso, Autran Dourado e Clarice Lispector. No Sul da Bahia, sou fã de Jorge Medauar, Sosígenes Costa, Adonias Filho, Telmo Padilha, Euclides Neto, Sonia Coutinho, Hélio Pólvora, Antonio Lopes, Ruy Póvoas, Cyro de Mattos, Jorge de Souza Araújo, Tica Simões, Rita Santana, Piligra, José Delmo, Genny Xavier  e Iolanda Costa, entre outros. Em todos observei a exploração da visualidade das palavras e expressões.

Qual a sua opinião sobre a marginalização das artes? Você acredita que ainda trabalhamos assim no século XXI?

Não acredito que as artes sejam marginalizadas. Acredito mais no conceito que considera a arte manifestação do espírito humano. Algo que preenche a imaginação, mas não tem valor econômico. Há, por ela, apenas um interesse estético e cultural. 

Você não acredita que as artes se considerem secundárias no que diz respeito às ciências, ou ao pensamento chamado científico? Você não acredita que no ensino e nos valores atuais ainda exista esta dicotomia?


Não considero as artes em posição secundária em relação ao pensamento científico. Isso porque o pensamento científico, na medida em que se desenvolve, aproxima-se das artes ao se mostrar capaz de incorporar as dimensões sensíveis da experiência humana em uma abordagem única na qual a física e a semântica não sejam distanciadas uma das outra. Isso significa dizer que a ciência não se torna distante, mas converge para o primado da arte. Pelo lado da educação, podemos dizer que o ensino privilegia o pensamento científico, mas não necessariamente o faz com propriedade. O pensamento humanista que nos leva à arte, por certo é parte marcante no processo educacional. Acredito que, por força do capitalismo, o ser humano tende a valorizar o pensamento científico por uma questão de sobrevivência e necessidade. E não porque queira considerar a arte como uma atividade menor.

Você, que morou tantos anos na Europa, acha que a literatura brasileira tem alcance internacional?

Para nós, escritores brasileiros, o fato de escrevermos no idioma português ainda é uma barreira para o desenvolvimento da nossa literatura no mundo. Isso significa dizer que a língua portuguesa não tem expressão suficiente para exercer influência na cultura, até mesmo na América Latina (onde predomina a língua espanhola), que dirá em outras partes. Há obras literárias brasileiras significativas que podem integrar o contexto da literatura ocidental, mas não a ponto de influenciar. Falta-nos a universalidade exigida pelo contexto histórico da literatura.

Gostaria que comentasse sobre o tema da exploração da plasticidade da palavra na sua própria obra. Quando você compõe um poema em que sentido você trabalha este aspecto? Houve uma evolução desde a sua obra inicial?


Por entender que o mundo é, antes de qualquer coisa, plástico e visual, e o olhar e o ver são partes importantes da leitura desse mundo, é que entendo o poema como um conjunto verbi-visual. Criado para ser visto e compreendido por quantos se deparem com as imagens póeticas que ele encerra. A palavra, por si mesma, é plástica e visual. Quando componho um poema a minha busca é sempre com o sentido de transmitir uma mensagem que tenha caráter intimista. Não teria como afirmar com isenção, mas penso que meus poemas iniciais (da década de 1990) tinham mais garra. Impressionavam mais, afinal eu era cheio de esperanças. Hoje - estabelecendo uma comparação com poemas de 20 anos atrás - meus poemas não têm o mesmo vigor, embora sejam mais trabalhados, apurados. Mas talvez esteja enganado. Tenho leitores que acham justamente o contrário.

CONFISSÕES
de Antonio Nahud
Poesia, Sol Negro Editora,  70 páginas, R$ 30.



potiguar notícias (rn)

9 comentários:

Leo Moura disse...

É interessante o que você fala da falta de importância da nossa Literatura em Língua Portuguesa no cenário ocidental, este assunto anda ecoando faz muito tempo no meio literário. Realmente, não influenciamos; apesar de o Brasil ter indicados a prêmios relevantes e até uma indicação ao Nobel de Literatura para Ferreira Gullar. Portugal tem um Nobel para Saramago, e os nomes mais importantes, naturalmente. Angola e Moçambique também figuram com grandes autores. Sim, existe muito a desbravar, porém, além de nossa limitação educacional, sobretudo no Brasil e nos países africanos, vale ressaltar também a "birra" que nossos irmãos portugueses (não generalizando) ainda alimentam sobre a diferença do português brasileiro. Somos mais de 200 milhões de falantes, todo o restante fora do Brasil, nos outros países lusófonos, o número passa pouco de 60 Milhões. O que coloca o Brasil numa posição de responsabilidade única na evolução do idioma. Acho que precisamos melhorar nossa relação e interação com os outros países, a superioridade populacional do Brasil é uma responsabilidade, e não um número a nos envaidecer. Precisamos unir nosso idioma, todos nós, brasileiros, portugueses, africanos e demais. Somos filhos de uma Literatura que surgiu em Portugal no século XII, 900 anos, nossa língua é nosso maior monumento. Precisamos não deixar nossa arte literária morrer.

Dion Medauar disse...

Entrevista reveladora, Nahud. Muito boa.
Fotos dadivosas do mestre Cravo Neto.
Preciso ler o livro.
Boa caminhada
Dion

Socorro Lira disse...

Um livro é sempre bem vindo! obrigada por compartilhar e êxito!

Carlos Murta DIDA disse...

claro que eu vouuuuuuuuu

Soraya Silva disse...

Orgulho Potiguar!

Martha Galrão Silva disse...

Viva!!!!

José Inácio Vieira de Melo disse...

Sucesso e Sorrisos, Nahud. Abraços.

Itália Barra disse...

Que maravilha!!!

Meire Nogueira disse...

Excelente!