maio 07, 2017

.......... ENTREVISTANDO ISABEL ALLENDE – LITERATURA e PAIXÃO



Vivo entre difusos matizes, veludos mistérios, incertezas; o tom adequado para contar minha vida se ajusta melhor ao de um retrato em sépia...

Ilustrações:
EDWIN HOJAS
(Chile. 1957)

Esta conversa da escritora com o jornalista Antonio Nahud ocorreu em Barcelona, Espanha, em 2000. Publicada nos jornais “Diário de Notícias” e “A Tarde”, e no livro “ArtePalavra – Conversas no Velho Mundo” (2002).


A escritora sul-americana passou três dias em Barcelona, acertando detalhes do lançamento mundial de “Retrato em Sépia” com a agente literária Carmen Balcells, a mesma que cuida da carreira de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e tantos outros. ISABEL ALLENDE escreveu o seu primeiro romance, “A Casa dos Espíritos”, como uma carta para o avô que estava morrendo. Apesar de best-seller internacional, precisou escrever mais um livro de sucesso antes de se sentir suficientemente segura para deixar o emprego. Tem agora mais de 10 títulos publicados, incluindo “A Filha da Fortuna”, lançado no ano passado e na lista dos livros mais vendidos no mundo. Na Espanha está na l2ª edição.

Autora de sucessos editoriais como “Eva Luna”, “Afrodite”, entre outros, traz no seu novo livro, um romance histórico, movimentada ação nos últimos anos do século XIX e nos primeiros do século XX. Uma saga familiar onde encontraremos alguns dos personagens de seus livros anteriores – “A Filha da Fortuna” e “A Casa dos Espíritos”. O tema principal do romance é a memória, sempre enovelada com os segredos de família. Juntando recordações ilusórias e os fios evasivos de personagens que passaram pelo seu destino, a protagonista Aurora del Valle procura entender o seu passado. 

Acompanhada do marido, o advogado norte-americano Willie Gordon, uma sorridente ISABEL ALLENDE recebeu inúmeros jornalistas. Simpática, cheia de energia, ela explicou que veio do sol, recebendo na Itália o título “Mulher do Ano”. Nasceu em Lima, no Peru, no dia 2 de agosto de 1942. Apesar do local de nascimento, é considerada uma autora chilena, pois viveu neste país desde muito cedo, quando sua família se mudou. Fez programas de tevê, escreveu crônicas e peças teatrais, antes de se tornar uma escritora traduzida em 25 idiomas. Ela mora há doze anos em San Francisco, Califórnia, e em seu novo livro faz uma viagem de regresso ao Chile.

Aos 58 anos, a escritora falou sobre “Retrato em Sépia”, o passado, o Chile, a escrita e os afetos.

A protagonista do seu romance anterior, Eliza Sommers, deixou Valparaíso, no Chile, para recomeçar a vida na Califórnia. A personagem central de “Retrato em Sépia” faz o caminho inverso. Foi intencional?

A personagem Aurora del Valle é neta da Eliza Sommers e do Tao Chi´ de “A Filha da Fortuna”. Como se trata de uma trilogia, incluindo “A Casa dos Espíritos”, personagens reaparecem e outros surgem pela primeira vez, vão e voltam. Também podem ser lidos como obras independentes.


“Paula” é um livro de memórias sobre a morte da sua filha. “A Casa dos Espíritos” era uma carta ao seu avô moribundo. O trabalho ajuda-a a superar estas tragédias?

A escrita é curativa. “A Casa dos Espíritos” foi uma tentativa de recuperar o mundo que eu perdera no exílio - a minha família, o meu passado, o meu avô - e acho que o consegui. Estará para sempre nesse livro. Eu escrevo e sigo vivendo. Sigo cheia de energia e paixão, feminista e enamorada de Antonio Banderas.

O caráter forte de Aurora tem também inspiração biográfica?

Não é o ponto central. Ela é uma jovem mulher de olho no passado. Procura descobrir o que se passou nos seus primeiros cinco anos de vida, motivo de frequentes pesadelos. Terminará descobrindo. No caminho, enfrenta um péssimo casamento e renuncia ser a “boa menina” que a avó gostaria que fosse.


Por que ela se torna fotógrafa?

A partir de 1870, com a substituição da placa pela película fotográfica, os fotógrafos começaram a captar cenas em movimento, gerando duas tendências, quem entendia a fotografia como arte parecida à pintura e aqueles que optaram por sua vertente documental. Nesta evolução, muitas mulheres tiveram papel importante, sobretudo nos Estados Unidos. Era um campo de criação novo, e diferente da pintura não estava restrito aos homens. Inseri Aurora del Valle como uma dessas pioneiras, uma profissional sensível, atenta à realidade.

“Retrato em Sépia” cita o golpe militar de Augusto Pinochet e uma de suas vítimas mais emblemática, seu parente, o ex-presidente Salvador Allende.

Foram anos importantes para a história do Chile. Anos da guerra do Pacífico e da revolução de 1879. Um período histórico que guarda semelhanças com a ditadura de Pinochet.


Precisou de muitos anos de pesquisa para situar o romance neste contexto histórico?

Aproveitei a documentação feita para “A Filha da Fortuna”, e tive ajuda no Chile do meu padrasto. Ele me proporcionou dados importantes da situação do país no final do século XIX.

Além do nascimento da fotografia no Chile, o que mais conta no seu relato?

Mostro o que se passa em um país dominado por um poder corrupto e impune. Deixo claro que basta que se deem as condições para que brote a selvageria do povo.

“o caderno de maya”

TODA a OBRA de ISABEL ALLENDE

ROMANCES
A CASA DOS ESPÍRITOS (1982)

A LAGOA AZUL (1983)

DE AMOR E DE SOMBRA (1984)

EVA LUNA (1987)

O PLANO INFINITO (1991)

AFRODITE (1998)

FILHA DA FORTUNA (1999)

RETRATO A SÉPIA (2000)

A CIDADE DAS FERAS (2002)

O REINO DO DRAGÃO DE OURO (2003)

O BOSQUE DOS PIGMEUS (2004)

ZORRO, COMEÇA A LENDA (2005)

INÊS DA MINHA ALMA (2006)

A SOMA DOS DIAS (2007)

A ILHA SOB O MAR (2009)

O CADERNO DE MAYA (2011)

O JOGO DE RIPPER (2014)

O AMANTE JAPONÊS (2015)

MEMÓRIAS

CARTAS A PAULA (1995)

MEU PAÍS INVENTADO (2003)

CONTOS
LA PORDA DE PORCELANA (1984)

CONTOS DE EVA LUNA (1989)

TEATRO
EL EMBAJADOR (1971)

LA BALADA DEL MEDIO PELO (1973)

LOS SIETE ESPEJOS (1974)

LOS TOMATES DEL FÁBIO CAGÓN (2004)


FILMES ADAPTADOS de seus LIVROS

A CASA DOS ESPÍRITOS
(The House of the Spirits, 1993)
de Bille August
com Jeremy Irons, Meryl Streep, Glenn Close,
Wynona Ryder, Antonio Banderas e Maria Conchita Alonso

DE AMOR E DE SOMBRA
(Of Love and Shadows, 1994)
de Betty Kaplan
com Antonio Banderas, Jennifer Connelly e Stefania Sandrelli

GALERIA de FOTOS


3 comentários:

Maria Jose Saffi Boso disse...

Sou admiradora e leitora de Isabel Allende .

Isa Fonseca disse...

Amei a entrevista.

Leda Gemignani de Assis disse...

Ela é maravilhosa. Mas acredito que está selvageria seja íntima do homem, basta descobrir sua alma!