novembro 03, 2011

.................................................................. CRIME DE GUERRA

bomba “fat man”

Sob a denominação de Código Projeto Manhattan - desenvolvendo e construindo armas nucleares em nome dos Estados Unidos da América, Reino Unido e Canadá, e coordenado pelo físico Robert Oppenheimer em três laboratórios secretos -, diversos testes atômicos foram realizados em 1945, culminando no lançamento de bombas fulminantes nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagazaki. Pouco antes do bárbaro bombardeamento, o presidente Harry S. Truman declarou na maior cara de pau: "Se eles não aceitam os nossos termos, podem esperar uma chuva de ruína vinda do ar nunca antes vista nesta terra". Hiroshima foi atacada em 6 de agosto de 1946. Três dias mais tarde, aconteceu o bombardeio de Nagasaki. Os norte-americanos justificaram a necessidade de forçar a rendição do Japão imperial, mas o que se evidenciou foi uma arrogante demonstração de força militar. As estimativas do número de mortos chegam a 250 mil, sendo mais elevadas quando contabilizados os falecimentos posteriores devido a exposição à radiação. A detonação da “Little Boy”, como era conhecida a bomba atirada em Hiroshima, destruiu tudo num raio de dois quilômetros e meio, devastando a vegetação e a estrutura da cidade. Já a “Fat Man”, jogada sobre Nagasaki, causou  idêntica destruição. A radioatividade se espalhou, provocando chuvas ácidas e contaminado lagos, rios e plantações. Os sobreviventes somente foram atendidos dias depois da tragédia, ocasionando a morte lenta e agonizante de milhares. Até os dias de hoje, os descendentes dos habitantes afetados sofrem efeitos da radioatividade. A rendição incondicional do Japão em 15 de agosto de 1946 determinou o fim da Segunda Guerra Mundial. O papel dos bombardeios atômicos na rendição, assim como seus efeitos, foram submetidos a debates desencontrados. Para muitos, eles deram um ponto final na guerra, salvando vidas que seriam perdidas em ambos os lados se a planejada invasão do Japão tivesse ocorrido. Outros acreditam que os bombardeios atômicos foram desnecessários, afinal a rendição era inevitável. Leo Szilard, um dos cientistas de importância fundamental no desenvolvimento da bomba atômica, argumentou que “Se os alemães tivessem lançando bombas atômicas, ao invés de nós, teríamos considerado como um crime de guerra, e sentenciado à morte e enforcado os considerados culpados desse crime”.


a tripulação do enola gay lançou a bomba atômica “little boy” em hiroshima

Um comentário:

Eric Ettinger disse...

Quero parabenizá-lo pela iniciativa e tenha certeza que existe mercado para tal empreendimento.

Atenciosamente,